terça-feira, 26 de junho de 2012

AZUIS


ACRE(4)


ACRE(3)


ACRE(2)


ACRE(1)


ACRE


segunda-feira, 18 de junho de 2012

A DOR DO OUTRO


A DOR DO OUTRO 

Nada pior do que ter ao lado alguém chorando de dor e não poder fazer nada. A gente leva um copo com água, um analgésico, palavras de carinho, um abraço afetuoso como se quiséssemos que aquela dor abandonasse o corpo dele e se alojasse em nós.

A gente reza, se católicos. A gente ora, se evangélicos. A gente pede, se humanos. A gente não sabe sofrer o sofrimento do próximo. Nem do distante. Mas que dói, dói.

A dor revela sua capacidade de desvirtuar todos os sentidos. Interfere na Natureza prolongando a noite, escurecendo o dia, afugentando as palavras, incinerando a Medicina, ridicularizando remédios, feiticeiros e feitiços. A dor manda na gente. A dor manda a gente para as profundezas pantanosas da insignificância.

Enquanto o outro, tão querido e amado, sofre, a gente insiste em dizer que vai passar. Mas nenhuma dor passa.

Arquivo do blog