sábado, 28 de setembro de 2013

PRISÕES



20130925_095948 C
Na varanda, atrás de altas grades de ferro com pontas afiadas feito espeto de churrasco, uma senhora, branquinha e muito magra, cabelos ralos e brancos, crocheta, ao que parece, um pano de mesa. E toma seu banho de sol, sentada  em uma cadeira.

Ao seu lado, no  piso de cerâmica, um canário belga engaiolado. A gaiola é velha e o passarinho, mais parecendo uma pelota de penas, não está muito disposto a firulas e cantorias. De vez em quando bica um bichinho pelo corpo. E toma seu banho de sol.

A senhora também não canta. Mas prende a linha nos pontos em cruz . À luz do sol, a linha vai desenhando uma outra coisa que se aprisiona. Que nasce presa.

A mulher, o passarinho, a linha e seu novo desenho, todos tomam o sol da manhã. O sol da manhã, da sua cela, abre pequenos caminhos até as almas do canário, da velhinha e do pano de mesa.

O esquentadinho enche todos de alegria. Mais liberdade que isso, causa-lhes preguiça, esforço desnecessário. Qualquer coisa, a senhora muda a cadeira de lugar, leva a gaiola junto. As grades, contudo, continuarão no mesmo lugar.

GERALDO ELÍSIO


LEILA FERREIRA

                                                           "Viver dói."

ENTREMEANDROS


domingo, 1 de setembro de 2013

"SÓ,SOZINHO"



O despertador do celular toca. Zeca Baleiro canta que  ”estava só, sozinho”. Manhã de outono, manhã de trabalho, muitas coisas para fazer. Lá fora, sol e nuvens brincam ao sabor de um vento frio. Mas uns minutinhos para mais debaixo do cobertor não vai mudar a ordem natural da vida.

Adiantar ou atrasar o nosso dia de viver? Não sei se a gente para e pensa e decide isto. A gente repete isto. Levantei cedo, estou atrasado, vou perder alguma coisa, vou esperar demais outra. Tantas são as vezes que pulamos da cama por obrigação, por compromissos, sem  a chance de virarmos para o canto, suspirarmos e tirar mais um sono. É comum a gente deixar a gente “só, sozinho”.

No outono, natureza na sua instabilidade, a sensação de recolhimento bate à porta. Prestamos a atenção em coisas banais. O vizinho que se senta ao sol, os meninos e a algazarra no caminho da escola, o som das turbinas de um avião, o rádio ligado em uma casa distante, pássaros, o tic-tac do relógio, os livros na estante, os porta-retratos e as pessoas ou lugares emoldurados.

Quem não atenta para isto, sai para o mundo “mais sem graça que a top modelna passarela”, num desfile anônimo, vestido de rotina e daquela falsa certeza de que vai e volta.

Vale sempre uma transgressão nesta nossa ordem geral. Os outonos são muito bons para abrirmos as janelas da casa,da alma. Ainda que aquelas folhas românticas que os livros contam que caem das árvores não sejam mais observadas, elas caem de verdade. É que a gente, “só, sozinho” caminha sem olhar. Por obrigação, sem prazer. Quem sabe uma viradinha para o canto, cobertor puxado para cobrir a cabeça e mais uns trinta minutos não ajudam a melhorar a nossa performance.

FIAPOS


JÚLIO MARGARIDA

                                "Ter sucesso é ter o que o outro tem.
                                  Mesmo que não sirva. "

Arquivo do blog