terça-feira, 31 de dezembro de 2013

AMANHECEUS TARDIS - Pensamentos rasos a respeito de superfícies profundas


UM PITACO COM PÍTACO


20131120_145234



Sozinho – ou com a família reunida  ou com a companhia querida – você está pronto para entrar ‘bem’ em 2014. É o ano do cavalo, segundo o horóscopo chinês. Progressos e turbulências. E em qual ano eles não estavam ou não estarão?

Quem não vai ficar em casa vai viajar, vai para a casa de um parente, para o aconchego de um amor, para a contemplação intimista do mar deixando que as ondas, feito um ralador de queijos, arranque a crosta negativa e devolva seu corpo tão limpo quanto você deseja.

Claro que tem os que beberão outras águas. Os que vão navegar as tantas rotas de asfalto, as tantas trilhas de céu. Aos que voam e voarão, mesmo que não seja “nas asas da Panair”, boa viagem. Aos que trafegam e trafegarão pelo “chão preto” – com  sua face pintada de alertas ,com seus adereços de prevenção – a conversa é ‘diferente’. É política. E moral.

Diz o professor Clóvis de Barros Filho que a diferença entre uma prova de conhecimento e a vida é que a primeira tem um só gabarito. A segunda tem vários. Quer dizer, cada questão do teste possui apenas uma resposta. As questões da vida, cada uma, infinitas possibilidades e, pior, sempre contraditórias.

Ainda segundo o mestre da Universidade de São Paulo, “ só faz sentido pensar em política enquanto possibilidade de deliberação livre, autônoma e soberana sobre formas de convivência e organização da convivência que não são inexoravelmente definidas por nenhuma instância a priori “.

A questão é, não importa se sozinho ou acompanhado: você vai beber e dirigir?; você bebeu e vai pegar a direção de um automóvel?;você vai dirigir e beber simultaneamente?

Pois é, você que se intitula o paladino da justiça, o defensor da ordem, da democracia, da transparência, da lisura, do socialismo, do capitalismo, do MMA, da proteção dos animais, da salvação da África, que levanta a bandeira da execração da Fifa, que pede a absolvição ou a prisão perpétua de políticos(dependendo dos seus interesses ideológicos e fisiológicos- com especial atenção ao segundo) e até se inscreveu num banco de doadores de medula, decidiu que vai tomar “umas e outras”. “E f….-se o resto!”

Com você não tem problema. Sabe o que está fazendo. Não vai cair numa blitz. No seu entendimento as  fiscalizações só acontecem em pontos em que as equipes de rádio, jornal e televisão podem chegar sem que os profissionais precisem de diária e que dê tempo de voltar com a matéria para as respectivas edições de seus noticiários. “É pra inglês ver”, você ironiza enquanto abre mais uma latinha ou dá um ‘tapa’ no maltado ou na “pura da roça”.

É você é tão sacana quanto tudo e todos que você crítica, julga e pune. Até o instante em que se envolver num acidente – na maioria das vezes  provocado. Como você não usa as tintas da responsabilidade, do respeito com o outro (pois o de você para com você ficou no mictório daquela última parada), feito um cara-pálida com uma winchester  de rodas, sai por aí galopando na sua ignorância, no seu egoísmo, na sua irresponsabilidade.

Assim, ainda que seja ano do cavalo, você entrará em 2014 a mesma “besta”  deste ano que termina. E eu peço perdão aos muares. Ou, pior, como uma “besta morta”, “na contramão atrapalhando o tráfego”.
Antes de mais nada, não bebo mas luto todos os dias contra a vontade de fazê-lo. Reconheço que sou um doente alcoólico. Portanto, entendo o “drama”. Porém, como a sua decisão submete terceiros para uma situação de “dominação” , recomendo, “democraticamente,  que se adote e aplique  a lei de Pítaco.

Legislador grego(640 a.C/568 a.C), entre outras leis, criou uma para punir os “chegados num gole”. De acordo com o texto legal, se um bêbado cometesse algum ato de violência, seria mais duramente castigado do que se estivesse sóbrio. Determinação que recebeu o seguinte comentário de Aristóteles: “O expediente de Pítaco parece bem mais prático do que considerar o estado de intoxicação “ uma circunstância atenuante”. Vai que uma ‘coça’ com pau de aroeira não recupera a responsabilidade… Se o “bebum” estiver vivo, of course!

Lembrando Geraldo Vandré – a sua biografia será  escrita pelo jornalista e escritor Jorge Fernando dos santos  em parceria com a também jornalista, Edilma Dias – :  “Madeira de dar em doido/Vai descer até quebrar/É a volta do cipó de aroeira/No lombo de quem mandou dar”.

Alegrias em 2014!

DIARISTA


A LUZ


ENSAIO


LEILA FERREIRA, VIVER NÃO DÓI


LEILA FERREIRA, ESCRITORA


LEILA FERREIRA,JORNALISTA


MISTÉRIO!


quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Arquivo do blog