terça-feira, 27 de janeiro de 2009

A VIAGEM DO ELEFANTE E O FIM DE TODOS NÓS

A viagem do elefante, o mais novo livro de José Saramago - Cia das Letras, 256 págs. - consegue reunir o bom humor, a ironia, o sarcasmo, a história e a efemeridade do ser humano, dos seus títulos, das suas vaidades de caráter e de matéria. Saramago, que esteve muito doente e que dedica o livro à sua mulher, Pilar, " que não deixou que eu morresse", de algum modo, usa o périplo do mamífero - que na vida "real" abandona o grupo para morrer sozinho - para sinalizar a compreensão de seu próprio fim. O livro tem um tom de confissões antes de partir. E ele afirma que o melhor, na vida, é ser romancista,ficcionista,mentiroso.

Assim como os elefantes, nós também nos recolhemos quando o sentido de ir embora é mais forte do que as rotas que traçamos para a nossa vida, aqui. Ao contrário de buscarmos refúgio em uma caverna, ou lugar distante, voltamos ao profundo de nós mesmos para compreender a ruína de tudo aquilo que pensavámos ter construído. E percebemos que tudo se resume a doses homeopáticas de ilusão que ingerimos para fugir da verdeira razão das coisas:o fim.

Desmoronam-se os laços afetivos, as casas, as famílias, os irmãos, os amigos. Saimos para morrer dentro da nossa própria solidão, num colóquio sombrio com o silêncio.

Somos elefantes de vaidades. Mas não deixamos marfim como lembrança de nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog